Carregando

Posted 44 Oct 2016   by Lucius

Contar histórias sempre foi uma característica da humanidade. Mesmo antes de existir a escrita, já havia quem contasse histórias e fizesse com que os ouvintes se engajassem nela.

Essas pessoas hoje em dia são chamadas de “storytellers”, palavra derivada do termo “storytelling”.

O ano de 2014 já pode ser considerado o ano do “storytelling”, isso porque o assunto é a bola da vez nas estratégias de conteúdo e foi pauta do South by SouthWest (SXSW), o principal evento de criatividade do mundo.

Bombardeio de informações

As agências e marcas (storytellers) já perceberam que o bombardeio de informações imposto por elas não está mais gerando lucro, ops, não emociona mais o seu público. Assim, foi iniciada uma cruzada orgânica pela fidelização e engajamento do cliente.

Para que os publicitários de plantão possam voltar a tocar o coração das pessoas, é muito importante que todas as histórias contadas possuam começo, meio e fim.

Parece meio idiota falar isso para profissionais de comunicação, mas não custa relembrar porque a falta disso pode ser algo desastroso.

Outra coisa que pode ser desastrosa para o processo de “storytelling” digital (ou qualquer que seja) é a falta de planejamento. Saber para quem falar, o que falar, como falar e onde falar é fundamental e faz toda a diferença. Vamos analisar essas quatro regras básicas:

Para quem falar: Antes de criar qualquer coisa, é preciso entender o público com quem você vai trabalhar. Como fazemos isso? Pesquisando e monitorando as redes sociais.

O que falar: Depois que o público foi entendido, deve-se mesclar os anseios do target com os objetivos da empresa e, assim, gerar histórias que conectem esses dois mundos. É importante saber o que acontece no universo do seu público. O constante acompanhamento faz com que as pautas fiquem cada vez mais alinhadas.

 Como falar: A linha editorial vai depender de como é o comportamento do público-alvo e como ele se expressa. Não adianta nada comunicar de forma rebuscada para pessoas que se interessam por skate. Portanto, monitore.

 Onde falar: O transmídia storytelling estabelece que a transmissão de uma história em diferentes tipos de redes deva acontecer com adaptações conforme a plataforma utilizada. Por isso temos de entender o comportamento do público para saber onde ele está. Então, você já sabe: vai lá monitorar. E logo!

Leave a comment

Name *
Email Address *
Website
Message *
******